Meditação

Como manter o foco em uma atividade por vez

27/06/2017

5 dicas para manter o foco em uma tarefa por vez | Vida Minimalista #vidaminimalista

Uma pergunta a você: quantas janelas estão abertas agora, no seu computador? Se você está lendo isso no celular, com o que meu texto está dividindo a atenção na sua mente? Se você está com atenção total no que está lendo neste momento, parabéns, você faz parte de uma minoria.

Estamos na era da informação, e isso significa que dados chegam até a nós compulsivamente, nos fazendo muitas vezes sentir a necessidade de abraçar o mundo para não perdermos nada. No entanto, se entrarmos nessa correnteza de informações, dificilmente conseguiremos pescar o que realmente é necessário. Então nos tornamos sobrecarregados, ansiosos e dificilmente conseguimos manter o foco no momento presente, na atividade que estamos realizando.

Estímulos chegam até a nós o tempo todo, isso não vai mudar. Mas com algumas dicas e técnicas, podemos controlar a forma como lidamos com essas informações, manter o foco e sermos mais seletivos, afinal, não dá pra guardar tudo.

1. Respire

Pode parecer bobeira, mas quando levamos a atenção à nossa respiração, percebemos – na maioria das vezes – o quão superficial ela está. Aproveite, inspire profundamente e solte o ar devagar. Isso ajuda a trazer a mente pro agora e é uma ótima ferramenta pra conseguir focar nas tarefas que você está realizando. Experimente.

2. Olhe ao seu redor

Levante a cabeça, desvie o olhar da tela do seu computador ou smartphone e olhe o que te cerca. Quando estamos em um ambiente comum, como nosso quarto ou escritório, perdemos a sensibilidade de admirar o que está à nossa volta. Porém, isso pode acontecer também quando estamos em qualquer ambiente novo, como uma rua diferente, parque ou café. Olhe ao seu redor. Que sons você escuta? Que cheiro está no ar? Quais cores você observa? Admire a beleza das pequenas coisas que te cercam. Conecte-se com o presente pelo menos por 1 minuto.

3. Remova todas as distrações da mesa

Se você vai começar a trabalhar ou estudar agora, aproveite pra remover tudo que está na superfície da sua mesa e deixe apenas o que não pode ser tirado e o que você vai usar. Mantenha a mesa clean, minimalista, pegue um copo de água e certifique-se de que tudo que você precisará está ao seu alcance. Quando acumulamos tralha na nossa mesa nos distraímos com mais facilidade, assim como quando levantamos toda hora pra pegar algo que esquecemos. Mantenha tudo limpo e organizado!

4. Feche as janelas do computador

Se você está escrevendo um texto (como eu estou agora), experimente fechar todas as outras janelas do computador e use a tela cheia para evitar distrações. Pra quem escreve, experimente usar editores de texto mais simples pra escrita fluir com mais facilidade. Eu costumo alternar entre FocusWriter e OmmWriter, dois programas excelentes que trabalham apenas com o texto, sem formatação, sem distrações. Se você não tem um editor clean, use o bloco de notas, o Evernote ou algum outro editor. Evite aqueles poluídos cheios de ícones, isso só distrai e tira o foco do que realmente é importante.

  • Leia também: Evernote: como organizar

5. Deixe seu smartphone longe

Se você não costuma usar celular o tempo todo, essa dica não vai ser muito útil, mas se você não larga o smartphone pra nada, experimente deixá-lo em outro lugar que não seja à sua vista. Não se preocupe com mensagens ou ligações urgentes, deixe o toque ativo e desabilite todas as outras notificações (whatsapp, email, sms…). Se alguém quiser realmente falar com você, vai telefonar e você poderá ouvir. Apenas tire a tela de seu campo de visão pra que não desperte a curiosidade de olhar o tempo todo. Estamos muito ansiosos achando que se não checarmos o email ou facebook toda hora estaremos perdendo algo. Acredite, não estamos.

Estas são algumas dicas que uso no meu dia-a-dia pra manter o foco no que estou fazendo no momento. Além de praticar meditação – o que ajuda demais no controle da ansiedade e da respiração – também costumo deixar o smartphone sem notificações e longe de mim. Escrevendo, deixo apenas a janela na qual estou trabalhando. Ao terminar, trago novamente a atenção à minha respiração, olho ao redor, admiro os pequenos detalhes que me cercam.

Mantenho também um caderninho de anotações e uma caneta sempre ao meu alcance. Sei que estamos em uma era muito digital, mas às vezes abrir o ícone de um aplicativo pra escrever uma nota pode significar uma checada de leve no facebook ou twitter só pra ver o que anda rolando – o que pode comer minutos da atenção.

Se você tem alguma dica de produtividade pra manter o foco na tarefa que está fazendo agora, compartilhe aqui nos comentários do blog. Vamos trocar ideias e inspirações?

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Tumblr
Meditação

Meditação: dicas para viver no momento presente

21/06/2017

Meditação é mais simples do que parece | Como meditar | Vida Minimalista #vidaminimalista

Sempre gostei de meditação, mas tinha dificuldade para meditar. Achava lindo sentar em lótus, fazer uma postura com a coluna alinhada e fechar os olhos, mas no fundo, achava que aquilo não era pra mim. Ariana que sou, com a mente agitada, meus pensamentos vagavam por um limbo que sabe-se lá onde estavam. Definitivamente, meditar não era pra mim.

Assim como eu pensava, muitos podem ter a ideia de que a meditação combina com ambientes monásticos, pessoas austeras e muita seriedade. Mas eu vou contar uma verdade a vocês: a meditação, quando passa a fazer parte da sua rotina, se torna divertida, um lugar de paz para o qual queremos voltar sempre.

Não vou dizer que é fácil, que não sentimos câimbra nas pernas, que tem dias que queremos apenas nos levantar e fazer as tarefas do dia. Mas também não é verdade que meditar é pra quem já é zen, tranquilo. Assim como pessoas praticam musculação para fortalecer a musculatura aos poucos, a meditação também deve ser uma prática diária para que possa tornar-se uma rotina. Após um bom tempo praticando a meditação, hoje venho trazer alguns tópicos para esclarecer algumas dúvidas comuns sobre meditar.

Principais dúvidas sobre a meditação:

1. Meditação não é religião. Embora associado ao budismo e hinduísmo, quando você interioriza seus pensamentos, volta para si e traz sua mente para o momento presente, você está meditando. Porém, se você é religioso e reserva um momento para fazer suas orações, também é uma forma de meditação. A meditação faz parte de algumas religiões mas é uma ferramenta, uma técnica que pode ser feita independentemente de crenças.

2. Não precisa de muitos preparos. Esqueça aplicativos, meditações guiadas, CDs, músicas para meditação, almofadas especiais ou roupas próprias. Meditação é simples, basta sentar-se confortavelmente, alinhar sua coluna, fechar os olhos e trazer a atenção para a sua respiração. Pronto, o primeiro passo já foi dado.

3. Não encare como um desafio. Se você já senta-se pensando que vai ser um tormento ficar os próximos 5 minutos sem fazer nada, você vai passar 5 minutos agoniado para acabar logo. Vá sem expectativas, apenas sente-se e tranquilize sua mente. Se quiser, coloque um alarme ou contador com o tempo que achar necessário, mas não se prenda a isso. Deixe o tempo fluir.

4. Existem diferentes técnicas de meditação (com mantras, cantando, ouvindo sons etc.) mas no começo, tente apenas reservar diariamente um momento só seu, em silêncio. Caso fique muito difícil concentrar-se com os olhos fechados, experimente acender uma vela à sua frente e observar o movimento da chama.

5. Comece devagar. Você não precisa começar com o tradicional Zazen por 30 ou 45 minutos. Experimente 5 minutos no começo. Vai ser difícil, sim, eu sei. Porém, com o tempo, você perceberá que 5 minutos passam voando, e quando se der conta, 10 minutos já terão passado. Não se cobre, não tenha pressa, aumente seu tempo de meditação de acordo com seu progresso, com sua disponibilidade. É melhor meditar todos os dias 5 minutinhos do que se comprometer a fazer uma longa meditação diária e parar no segundo dia.

Meditar ajuda a trazermos a mente para o agora

Quando vivemos no passado, a tendência é que nos tornemos pessoas angustiadas, deprimidas, pensando no que poderia ter feito e não fizemos. Pensando nas pessoas que nos magoaram, e então carregamos em nossa mochila da vida um grande peso o qual não precisamos carregar. Quando vivemos no futuro, nos tornamos ansiosos, tentando antecipar os fatos que ainda não aconteceram.

Nestas duas situações, nos desconectamos do momento presente, do aqui e agora, o único momento em que nossas vidas de fato acontecem. Não é errado, no entanto, recordar do passado nem planejar o futuro. A questão é que quando nos desconectamos da nossa vida no agora, saímos do estado de atenção plena e a vida passa por nós de forma automática.

Experimente hoje, agora, apenas fechar os olhos e prestar atenção no ar que entra e sai pelas narinas. Alinhe sua coluna, relaxe suas mãos sobre suas pernas e apenas respire. A meditação é uma ferramenta muito poderosa que nos traz de volta ao estado Mindfulness, ou atenção plena. Toda vez que se sentir desconectado de sua realidade, traga sua mente para o agora. Não deixe sua vida passar diante seus olhos, perceba os detalhes, os pequenos momentos. Valorize o seu momento, pois a única coisa que temos é o agora.

E você, pratica meditação? Já experimentou? Quais suas dificuldades? Compartilhe aqui conosco nos comentários!

imagem: Pixabay

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Tumblr

Não, seu amigo do Instagram não tem uma vida perfeita!

17/06/2017

Não, seu amigo do Instagram não tem uma vida perfeita! | Blog Camile Carvalho - Vida Minimalista

Mais uma vez aqui estou eu pra conversar sobre redes sociais. Falei aqui outro dia sobre o Instagram e a verdade, e a medida que tomei bloqueando todos os perfis fakes, pornográficos e inativos que me seguiam e que massageava meu ego, me fazendo lembrar todo dia que eu tinha aquela quantidade de seguidores. Hoje, venho trazer uma reflexão que me ocorreu hoje pela manhã: o estar bem em seu próprio silêncio.

Eu gosto de ficar sozinha, mas não foi sempre assim. Antes, queria reunir amigos, sair pra barzinhos, fazer alguma coisa, menos ficar em casa. Nunca fui de noitada, mas um bom café com amigos no shopping me tiravam de casa, da sensação de estar sozinha, e isso me fazia bem.

O tempo foi passando, comecei a praticar yoga, meditação, e aos poucos aprendi a estar bem comigo mesma. Hoje fujo de agitos. Gosto de passar um fim de semana inteirinho em casa, com meus livros, com minha escrita… organizando a casa, cuidando do que é meu, meditando e curtindo a calma. E isso é tão bom!

Porém, às vezes dou uma olhada pelo Instagram e vejo amigos passeando, viajando, em festas ou passeios, mostrando que têm vida social bastante ativa. Por um segundo me pego pensando que queria estar assim, curtindo, com uma vida social bem agitada, mas logo vem o questionamento: será? Será mesmo?

Não, talvez eu não gostaria. Está tão bom aqui! Olho ao redor e sorrio, percebendo que esta aura que me cerca, meus livros sobre a mesinha de centro, minha rede balançando com o vento e o café quentinho ao meu lado me fazem feliz. Não, eu não queria ser outra pessoa, estar no lugar de outra pessoa e nem com outras pessoas. Isso não me torna um ser fechado, acredito que temos momentos para tudo, mas hoje, agora, neste exato momento, estou feliz.

O que percebo, no entanto, é que as redes sociais nem sempre mostram a verdade. Esses dias saiu uma matéria na Super Exame que fala que o Instagram é a rede social mais prejudicial à saúde mental. Jovens e adultos sentem suas vidas paradas, estagnadas, ou desenvolvem a síndrome FOMO (sensação de estar perdendo algo). Mas a culpa não é do Instagram, Facebook ou outra rede. Somos nós quem escolhemos como vamos nos comportar com estas ferramentas.

Nem sempre aquela foto daquela amiga sorrindo em uma viagem paradisíaca está refletindo sua verdade. Nem sempre estar em movimento, no agito, na diversão, significa felicidade, e aprender a estar bem comigo mesma foi a melhor coisa que fiz. Saber aproveitar a tranquilidade, o cantar dos pássaros, o cheiro do café passando, o sol se pondo, é uma dádiva. E estes momentos são únicos, nossos.

Olhe para você. Olhe ao seu redor. Será que sua vida é tão menor que a dos outros que compartilham sua felicidade nas redes sociais? Vamos aprender a valorizar nossos momentos? Aprender a lidar com o nosso silêncio?

No livro Silêncio, o poder da quietude num mundo barulhento, o monge budista Thich Nhat Hahn diz que:

“O silêncio é, sobretudo, algo que vem do coração, não de um conjunto de condições externas ao nosso corpo. Viver em um local silencioso não significa passar a vida mudo, sem se envolver nem fazer nada. Simplesmente significa que não somos perturbados por dentro, não há um falatório constante.” – pág. 67

Aprender a lidar com o nosso silêncio, a estar em quietude, aproveitando quem somos, onde estamos e o que estamos fazendo é fundamental. Não se comparar com a vida dos outros – ou melhor, com o que mostram nas redes sociais – é importante para que possamos valorizar nossa realidade. A vida de ninguém é perfeita, mas por que não olhar ao nosso redor e sermos gratos pela nossa realidade?

Experimente sentar-se quieto onde você está. Fechar os olhos por alguns minutos e apenas prestar atenção à sua respiração. A felicidade verdadeira, as respostas as quais buscamos, está tudo aqui dentro, não fora. Você pode estar no lugar mais lindo do mundo, mas se não estiver bem consigo mesmo, não estará feliz. Mas você pode estar sozinho, quieto em casa, em um lindo sábado de sol, e sorrir, simplesmente porque está em paz, está curtindo seu momento e saber que aquelas vidas que passam pela sua timeline não é a sua, e não há motivo nenhum para se sentir mal por não estar lá.

imagem: Pixabay

Gostou? Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Tumblr
Páginas12345678... 45»