Sua melhor versão – Flavia Melissa

15/05/2017

Como contei a vocês no último post, passei um período muito dedicada ao meu trabalho e isso significou muitas leituras no ramo do yoga. Enquanto fazia meus estudos mais específicos, deixei de lado outros tipos de leituras como desenvolvimento pessoal, biografias e ficção. Mas foi na viagem do fim de semana que me vi sem internet em casa e resolvi relaxar um pouco lendo o livro da Flavia Melissa, a quem admiro demais e acompanho desde o comecinho de sua carreira como produtora de conteúdo digital.

Quem é Flavia Melissa?

Apresentando Flavia a quem não conhece, ela é uma psicóloga que atendia seus pacientes em seu consultório particular até que começou a gravar vídeos no youtube. Porém, seus vídeos eram privados e os links eram compartilhados apenas aos seus pacientes, até que, a pedidos deles, começaram a ser divulgados a amigos. Foi quando decidiu deixá-los abertos ao público que seu canal, antes frequentado apenas por pacientes e pessoas próximas, começou a ganhar visibilidade.

Com vídeos simples, sem edições e apenas no esquema “liga a câmera e fala“, Flavia Melissa ganhou o carinho de muitos que se identificavam com os temas abordados e seu jeito simples e reflexivo de ver a vida. Conversando com o público sobre autoconhecimento, espiritualidade, programação neurolinguística e tantos outros saberes, aos poucos fez uma transição de carreira e hoje trabalha com o Portal Despertar, plataforma online de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal.

O livro

Seu primeiro livro, Sua Melhor Versão, publicada no início deste ano (2017) conta sua trajetória de transformação pessoal. Quem a conhece agora, pensa que Flavia sempre foi uma pessoa equilibrada, centrada em seu propósito de vida e feliz, o que não é verdade. A autora precisou passar por um período de cura dolorosa para que pudesse enfrentar seus próprios fantasmas, abraçar e aceitar seu lado mais sombrio para extrair, de suas experiências pessoais, aprendizados que compartilha em suas redes sociais e em seu livro.

Com 237 páginas, o livro nos apresenta um caminho de transformação e nos faz refletir sobre nossa própria vida intercalando trechos de seu diário pessoal com suas próprias reflexões sobre os momentos mais difíceis que passou, trazendo à luz insights e pensamentos que nos fazem perceber que nós somos os criadores da nossa própria realidade.

Todos os dias temos a oportunidade de olhar para dentro. E não olhamos. Nos distraímos demais com os outros. Nos perdemos demais no que pensam a nosso respeito as outras pessoas. E não entendemos: os outros não existem neste Universo holográfico em que sonhamos e projetamos nossos medos e nossas ambições. Nossa sociedade é um antro de vitimização em que o mérito nunca é nosso, e a culpa é sempre do outro. E não percebemos que, assim, amarramos em nossos pés uma bola de ferro cuja chave nunca estará em nosso poder.” – pág. 101

E você, já conhece a Flavia Melissa? Já leu seu livro? O que achou? Compartilhe sua experiência nos comentários!

Gostou? Compartilhe!
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Share on Tumblr0

comentários via facebook

3 comentários leave one →

  1. Li o livro em dois dias e também gostei muito! Acompanho o trabalho da Flávia há alguns anos e foi bom poder me identificar com tantas crises e entender que elas são necessárias.

    Responder
    • A leitura super flui, né?

      Quando conheci a Flavia não imaginava que ela tivesse passado por períodos tão obscuros, achava que era super iluminada até ela própria começar a expor suas dores nas redes sociais. Isso nos aproxima muito, vemos que todos somos humanos, cada um com seus fantasmas a serem enfrentados. Admiro demais a Flavia, ainda a acompanho no youtube, mas não participo do portal despertar. Você participa ou conhece alguém que assina?

      Responder
  2. Bruna

    Conheci a Flávia no youtube e me apaixonei pela simplicidade que transmite não li o livro ainda, mas depois desse post fiquei com mais vontade de ler. Obrigada por partilhar com a gente suas experiências literárias.

    Responder

Deixe seu comentário: